Os tratamentos convencionais e o uso de medicamentos industrializados estão deixando de ser interessantes aos olhos de muitas pessoas. Cada vez mais a população tem buscado por outras alternativas de tratamento para cuidar da sua saúde e, principalmente, que sejam mais naturais.

A fitoterapia é uma dessas opções. Você sabe o que é e como funciona esse tipo de tratamento? Neste artigo te explicamos o que precisa saber, confira!

O que é a fitoterapia?

A fitoterapia é uma área da medicina que faz o uso de procedimentos e medicamentos vindos de plantas medicinais. Podem ser utilizados tanto raízes, sementes e folhas, quanto ceras, óleos e extratos durante um tratamento fitoterápico. A vantagem é que, com a diversidade de espécies vegetais, diversos problemas podem ser combatidos e até curados com técnicas fitoterápicas.

A fitoterapia pode, inclusive, ser utilizada como base para medicamentos tradicionais de métodos como a Alopatia, por meio da síntese dos princípios ativos das plantas medicinais.

Geralmente, a fitoterapia pode ser indicada para tratar efetivamente problemas comuns do dia a dia, como dores musculares, estresse, cansaço e insônia, ou até mesmo questões mais graves: tendinite, problemas nos intestinos e rins, doenças do coração e relacionadas a colesterol alto, por exemplo.

Com o uso das plantas certas, a fitoterapia ainda pode ser útil no tratamento de:

  • Infecções (bronquite, laringite, e a faringite), resfriados e gripes;
  • Problemas respiratórios (rinite, asma);
  • Alergias na pele;
  • Cólica abdominal;
  • Febre;
  • Cicatrização de feridas.

Tantas possibilidades de tratamento são o que tornam a fitoterapia uma alternativa cada vez mais buscada para se cuidar da saúde. Além disso, em comparação com técnicas e procedimentos mais tradicionais, a fitoterapia costuma oferecer opções mais em conta.

Além de ser usado para combate e tratamento das doenças, a fitoterapia pode auxiliar na prevenção de muitos problemas e no pós-tratamento.

Vamos saber agora como funciona a fitoterapia?

Como funciona?

As composições das plantas são manipuladas de acordo com a orientação de médicos ou farmacêuticos, adaptando o tratamento para a necessidade e o contexto de cada paciente. Assim, pode-se tratar com as dosagens certas e ainda é possível variar a quantidade de plantas utilizadas, desde apenas uma até várias combinadas.

Em geral, as ervas medicinais mais comuns em técnicas fisioterápicas, são: camomila, valeriana, carqueja, alcachofra, boldo, bauhinia, maria milagrosa, entre diversas outras. Esses nomes são os mais populares e você com certeza já deve ter ouvido falar de algum.

Como dissemos, os produtos manipulados da fitoterapia podem ser personalizados. O uso de cada uma dessas plantas vai ajudar a combater um problema específico e, com a correta combinação delas, os resultados do tratamento e a melhora nos sintomas podem ser ainda mais potencializados.

Cuidados que você deve tomar ao iniciar o tratamento

Antes de iniciar um tratamento fitoterápico, é muito importante que você saiba de alguns cuidados que deve tomar.

Mesmo não oferecendo risco de dependência, medicamentos desse tipo de tratamento podem causar alguns efeitos colaterais e o excesso pode, inclusive, ocasionar problemas no fígado, dentre outras complicações.

Além disso, tenha em mente que esse é um tratamento sério e que necessita do aconselhamento e acompanhamento de um profissional. Não se automedique e, quando iniciar a fitoterapia, siga corretamente as orientações do profissional.

É sempre importante também prestar atenção na procedência e validade dos medicamentos, não se esqueça!

Tem mais dúvidas sobre a fitoterapia? Em outro artigo, esclarecemos 4 mitos sobre medicamentos fitoterápicos, confira agora mesmo!